Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Março, 2012

Dia Mundial da Poesia

Quando vier a primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma.

Se soubesse que amanhã morria
E a primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

Alberto Caeiro
1889-1915

Poesia
Alberto Caeiro; edição Fernando Cabral Martins, Richard Zenith
Assírio & Alvim

Read Full Post »

Um frade andava no peditório. Chegou à porta de um lavrador, não lhe quiseram aí dar esmola. O frade estava a cair com fome, e disse:
– Vou ver se faço um caldinho de pedra!
E pegou numa pedra do chão, sacudiu-lhe a terra e pôs-se a olhar para ela, para ver se era boa para fazer um caldo. A gente da casa pôs-se a rir do frade e daquela lembrança.
Perguntou o frade :
– Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa boa.
Responderam-lhe :
– Sempre queremos ver isso!
Foi o que o frade quis ouvir. Depois de ter lavado a pedra, pediu :
– Se me emprestassem aí um pucarinho.
Deram-lhe uma panela de barro. Ele encheu-a de água e deitou-lhe a pedra dentro.
– Agora, se me deixassem estar a panelinha aí ao pé das brasas.
Deixaram. Assim que a panela começou a chiar, tornou ele :
– Com um bocadinho de unto, é que o caldo ficava um primor!
Foram-lhe buscar um pedaço de unto. Ferveu, ferveu, e a gente da casa pasmada pelo que via. Dizia o frade, provando o caldo :
– Está um bocadinho insosso. Bem precisava de uma pedrinha de sal.
Também lhe deram o sal. Temperou, provou e afirmou :
– Agora é que, com uns olhinhos de couve o caldo ficava que até os anjos o comeriam!
A dona da casa foi à horta e trouxe-lhe duas couves tenras.
O frade limpou-as e ripou-as com os dedos, deitando as folhas na panela.
Quando os olhos já estavam aferventados, disse o frade :
– Ai, um naquinho de chouriço é que lhe dava uma graça.
Trouxeram-lhe um pedaço de chouriço. Ele botou-o à panela e, enquanto se cozia, tirou do alforge pão e arranjou-se para comer com vagar. O caldo cheirava que era uma regalo. Comeu e lambeu o beiço. Depois de despejada a panela, ficou a pedra no fundo. A gente da casa, que estava com os olhos nele, perguntou:
– Ó senhor frade, então a pedra?
Respondeu o frade :
– A pedra lavo-a e levo-a comigo para outra vez.

Retirado da página da Câmara Municipal de Almeirim.

Read Full Post »

Estão abertas as inscrições para a Época de Maio dos exames CAPLE. Os interessados poderão inscrever-se no nosso Centro todos os dias úteis das 11h às 14h, até ao próximo dia 6 de Abril. Terão de fazer-se acompanhar de Bilhete de Identidade e proceder ao pagamento no acto de inscrição. Para mais informações, consultem a página do CAPLE ou entrem em contacto com o nosso Centro de Exames.

Read Full Post »

Viagem a Bragança

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixo-vos aqui algumas das fotos que tirei na viagem a Bragança. Não têm direitos de autor, por isso podem copiá-las à vontade.

Espero que tenham gostado da viagem.

Read Full Post »

A FUNDAÇÃO REI AFONSO HENRIQUES CONVIDA-O  A ESTAR PARTICIPAR NA APRESENTAÇÃO DO LIVRO INFANTIL BILINGUE

“OS MENINOS DO VENTO” DE HUGO GIRÃO

 

 

Quinta-feira, 15 de Março à 19:15h na Biblioteca da Fundação Rei Afonso Henriques

O evento contará com a presença do autor, Hugo Girão. Este livro é uma obra bilingue editada em Espanhol e Português que pretende aproximar os mais pequenos ao conhecimento desta língua bem como os leitores e amantes do português.

 

Estará presente também a Contadora de contos zamorana Charo Jaular que contribuirá com a sua longa trajectória como profissional nas actividades lúdicas e infantis, bem como a sua visão sobre o mundo do conto.

 

Também estarão presentes:

 

– Rui Marques, Director da Revendedora Tras-Tras de Serviços Raianos (Empresa Revendedora do mundo editorial português em Espanha).

– Victor Raquel e Carla Cardoso, da  Editorial Fronteira do Caos.

 Esperamos por vocês!

Read Full Post »