Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Agosto, 2012

Férias

O blog do Centro de Exames da Fundação Rei Afonso Henriques vai de férias e deseja a todos os seus leitores um excelente Verão. Espero poder encontrá-los por cá novamente a partir do dia 3 de Setembro.

Read Full Post »

Candidato

Resultado Final

1201CI15091 Bom
1201CI15092 Bom
1201CI15093 Suficiente
1201CI15094 Suficiente
1201CI15095 Suficiente

 

 

Candidato

Resultado Final

1201DE15096 Faltou
1201DE15097 Suficiente
1201DE15098 Muito Bom
1201DE15099 Bom
1201DE15100 Suficiente
1201DE15101 Faltou
1201DE15102 Suficiente
1201DE15103 Bom
1201DE15104 Suficiente
1201DE15105 Bom
1201DE15106 Suficiente

 

 

Candidato

Resultado Final

1201DI15107 Bom
1201DI15108 Suficiente
1201DI15109 Bom
1201DI15110 Bom
1201DI15111 Bom
1201DI15112 Muito Bom
1201DI15113 Bom
1201DI15114 Bom
1201DI15115 Suficiente
1201DI15116 Bom
1201DI15117 Bom
1201DI15118 Bom

 

 

Candidato

Resultado Final

1201DA15119 Suficiente
1201DA15120 Bom

 

Candidato

Resultado Final

1201DU15121 Suficiente

Read Full Post »

“…que se diz de alguém pessimista e conservador, sempre pronto a contrariar as ideias ou os projectos mais avançados. Nos Lusíadas, a figura do Velho do Restelo surge no canto IV. No poema épico camoniano, o velho assiste, no Restelo, à partida da frota do Gama para a Índia, argumentando contra o carácter audaz da expedição e aconselhando os portugueses a investirem mais no progresso interno e menos em aventuras marinheiras. Há quem pense que o Velho do Restelo era um homem sensato…”

in Nas Bocas do Mundo, Sérgio Luís de Carvalho

Read Full Post »

Os navios existem, e existe o teu rosto
encostado ao rosto dos navios.
Sem nenhum destino flutuam nas cidades,
partem no vento, regressam nos rios.

Na areia branca, onde o tempo começa,
uma criança passa de costas para o mar.
Anoitece. Não há dúvida, anoitece.
É preciso partir, é preciso ficar.

Os hospitais cobrem-se de cinza.
Ondas de sombra quebram nas esquinas.
Amo-te… E entram pela janela
as primeiras luzes das colinas.

As palavras que te envio são interditas
até, meu amor, pelo halo das searas;
se alguma regressasse, nem já reconhecia
o teu nome nas suas curvas claras.

Dói-me esta água, este ar que se respira,
dói-me esta solidão de pedra escura,
estas mãos nocturnas onde aperto
os meus dias quebrados na cintura.

E a noite cresce apaixonadamente.
Nas suas margens nuas, desoladas,
cada homem tem apenas para dar
um horizonte de cidades bombardeadas.
Eugénio de Andrade
1923-2005

Poesia
Eugénio de Andrade
Fundação Eugénio de Andrade

Read Full Post »